Vazamento na Guanabara pode chegar a 100 mil litros

Pode chegar a 100 mil litros a quantidade de óleo que vazou na Baía de Guanabara ontem à tarde, após uma falha na operação de bombeio de petróleo de um navio para a Refinaria de Manguinhos, na zona norte do Rio. A estimativa foi feita hoje por técnicos da Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (Feema), que multou a refinaria em R$ 1 milhão. De acordo com a direção da refinaria, controlada pela empresa hispano-argentina Repsol-YPF e pelo grupo Peixoto de Castro, o vazamento teria sido de 40 mil litros. "É difícil avaliar nesse momento a quantidade de óleo que vazou. Mas é um vazamento pequeno, cerca de três caminhões de gasolina, nada muito sério", minimizou o diretor comercial de Manguinhos, Luis Henrique Sanches.De acordo com a presidente da Feema, Isaura Fraga, o derramamento de óleo foi sério e ainda há combustível vazando. Ela determinou que a operação de limpeza fosse reforçada. Hoje, 150 homens em 20 barcas e com 2.500 metros de barreiras de isolamento, trabalhavam para evitar que o petróleo chegasse às praias de Botafogo, Flamengo e de Niterói. "Isso não vai acontecer porque o vazamento está contido", garantiu Sanches.O petróleo vazou por causa do rompimento da tubulação que liga o cais às instalações de Manguinhos. A direção da refinaria acredita que tenha havido demora no desligamento do bombeio do petróleo. Isso teria possibilitado a entrada de gás e ar no duto, que ficou mais leve e se movimentou, provocando o rompimento de uma das soldas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.