Vazamento provoca remoção de moradores e fecha rodovia

O grande vazamento de gás liquefeito de petróleo (GLP) e gasolina em um duto da Petrobrás provocou a interdição da Rodovia Castelo Branco desde as 11h40 desta sexta-feira, entre os km 14 e 25, bem perto de São Paulo. E os moradores que foram removidos das proximidades do local, por causa do risco de explosão, não sabiam até as 19h15 quando poderiam voltar para casa.Às 16h50, as pistas da rodovia no sentido interior-capital foram liberadas. Mas às 17h40 foram novamente fechadas, a pedido da Cetesb e da Petrobrás, para mais uma checagem sobre o nível de gás. Sobre a liberação das pistas, também não havia previsão até o início da noite.O acidente ocorreu às 11h15, no km 20, na divisa entre Barueri e Osasco, quando funcionários da empresa Queiroz Galvão trabalhavam com um bate-estaca no local. Um gasoduto do sistema que liga o ABC a Barueri foi atingido.O funcionário Valdelins Brandão da Silva descreveu o acidente: "Foi igual a um terremoto. O chão tremeu e logo em seguida uma grande nuvem de gás branco tomou conta do lugar. Saímos desesperados tentando interromper a passagem de carros na estrada."Segundo ele, a nuvem de gás tinha 8 metros de altura. "Estou tremendo até agora, pensei na hora que alguém poderia acender um cigarro e tudo ir pelos ares."A Queiroz Galvão é concessionária da Dersa. A empresa realizava no local obras para a construção do Rodoanel. Segundo a Assessoria de Imprensa da Dersa, o trabalho vem sendo realizado há 15 dias e é fiscalizado por uma equipe indicada pela Petrobrás. O funcionário Silva garantiu que o local do acidente estava dentro dos limites de segurança indicado pelo mapa fornecido pela Petrobrás.O diretor de engenharia da Transpetro, Wong Loon, não confirmou o erro no mapa. "É precipitado dizer qualquer coisa agora. Nossa maior preocupação é restaurar a segurança no local."PerigoO GLP é um gás altamente inflamável. Até a noite, um cheiro forte era sentido por toda a região, num raio de até 7 quilômetros, assustando os moradores. Para evitar explosão, em alguns pontos, a energia foi cortada. No meio da tarde, a Polícia Militar informou que parte do gás havia atingido a tubulação de esgoto.A Petrobrás, até o início da noite, não havia informado as dimensões do vazamento de gás, nem tampouco de gasolina. Na verdade, tudo ainda está sendo avaliado.Loon garantiu que, tão logo o acidente foi detectado, o fluxo de gás foi cessado. A gasolina era remanescente do mesmo duto. "É um sistema conjunto. Primeiro passa o gás, depois a gasolina."Para evitar risco de incêndio, os bombeiros jogaram espuma no local. No fim da tarde, técnicos preparavam um lençol de água - técnica que consiste molhar o chão, para evitar riscos de acidentes.IntoxicaçãoO encarregado operacional da Defesa Civil de Osasco Eudes de Oliveira da Silva disse que havia muita preocupação com as conseqüências do vazamento. "A reclamação do local mais distante que recebemos foi de uma moradora na Avenida Nova Osasco, por volta das 12h20", disse Silva. "Ela se queixou que o cheiro de gás era forte e pensava estar vindo da casa da vizinha."Segundo Silva, foram constatados vários casos de pessoas com dor de cabeça e enjôo, por causa da inalação do gás. "Não registramos nenhum caso grave e os que tiveram problemas de dores de cabeça e enjôos melhoraram momentos depois, após respirarem ar puro."Embora o vereador Marco Antonio de Oliveira, de Barueri, tenha informado que cerca de 20 pessoas, com dores de cabeça e enjôos, tenham sido atendidas no Pronto-Socorro do Jardim Mutinga, o supervisor do PS, Hélio Marques, disse que a primeira paciente vítima do vazamento de gás deu entrada às 17h35."Ela se encontra no setor de emergência e, segundo as primeiras informações, sofreu intoxicação por gás", disse Marques. "Além dela, não atendemos nenhum outro caso de internação em conseqüência do vazamento."Uma comissão mista será formada para analisar as causas do acidente, informou o secretário estadual dos Transportes, Michael Zeitlin. A Transpetro, por sua vez, informou que abrirá uma sindicância para isso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.