Veículos irregulares circulam em SP por falta de vaga no Detran

Antes de efetuar a remoção, a PM verifica se há vagas nos pátios. Como a resposta é sempre negativa, os motoristas são autuados, continuam com o carro e têm chance de regularizar a documentação. Coisa que poucos fazem. "Boa parte dos veículos apreendidos já teve a documentação recolhida anteriormente e não fez a regularização", conta o coronel João Francisco de Rezende, coordenador das Companhias Táticas Independentes, órgão remanescente do extinto CPTRAN."Nosso objetivo não é meramente tirar carros das pessoas, mas preservar a integridade física dos cidadãos", explica Rezende. Os veículos sem pendências judiciais que não são retirados em 90 dias são leiloados. Quando o motivo da apreensão envolve a Justiça, os carros são liberados para leilão só após a conclusão dos processos, o que pode levar anos. Os leilões ocorrem a cada dois meses. "Das 9 mil vagas nos três pátios, 100 estão disponíveis para veículos", afirmou o tenente Alexandre Vitorino Roldan, da Divisão de Fiscalização e Controle de Condutores e Veículos do Detran. Policiais que não quiseram se identificar disseram que "as vagas seriam preenchidas em um dia de blitz na cidade". Só no pátio da Avenida Presidente Wilson são 4 mil veículos apreendidos, entre autos e motos, que, segundo Roldan, estão envolvidos em inquéritos policiais, objetos de crimes, pendências judiciais, transformação em dublês e outras restrições. "Hoje não temos nenhuma vaga nesse pátio", afirma Roldan. Só 20 carros retirados por dia Segundo a PM, a rotatividade nos pátios é baixa porque são retirados, em média, só 20 carros por dia e as vagas são reocupadas rapidamente. A cada três veículos apreendidos, só um é retirado pelo dono. Por falta de espaço, um Posto de Atendimento ao Trânsito (PAT), responsável pela elaboração de ocorrências de acidentes, está se transformando em um novo pátio. Situado no canteiro central da Marginal Tietê, sentido Castelo Branco, entre as Pontes da Casa Verde e Limão, vários carros apreendidos estão sendo levados para lá. Segundo policiais, a medida temporária está se tornando definitiva.O JT esteve no pátio Marquês de São Vicente, na zona oeste, e constatou que só há vagas para motos. Segundo um policial, existem cerca de 500 veículos e 3 mil motos no local. Entre os carros estão Mercedes, Audi, BMW, vans e picapes importadas aguardando a retirada. Enquanto isso, uma moto em mau estado de conservação, sem seta, luz de freio e farol, chegava ao pátio escoltada. Mais uma vez, o motoqueiro Luciano Peixoto, de 20 anos, foi alvo de blitz. Sem capacete, documentos e habilitação, o desempregado entregava sua CBX 150 vermelha com lágrimas nos olhos. "Já haviam recolhido o documento com meu irmão e, agora, me pararam. É muito azar. É a terceira moto que vou perder." Ele não pretende retirar a moto porque as multas e taxas para liberação dariam para comprar outra. Segundo o Detran, serão disponibilizadas 1.250 vagas para carros e motos até setembro. Não há previsão a curto prazo para aquisição ou construção de novos pátios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.