ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

Veja o que os candidatos à Presidência pensam sobre a violência no Brasil

Quantidade de mortes violentas em 2017 voltou a bater recorde no País, com 63.880 vítimas

O Estado de S. Paulo

10 Agosto 2018 | 03h00

Geraldo Alckmin (PSDB)

“O governo deve estabelecer um sistema inovador de metas nacionais para a redução de homicídios que envolva os governos estaduais, os órgãos federais de Segurança e Justiça e as prefeituras.”

Marina Silva (Rede)

“Vamos atuar no aumento da capacidade de investigação da Polícia Civil, usando tecnologia, e pretendemos criar um conselho para integrar órgãos estaduais e federais.” 

Ciro Gomes (PDT)

“A solução não é despejar nas ruas ainda mais armas. Quanto mais armas, mais violência e mais mortes. Para mudar esse quadro, é necessário aumentar a presença do governo federal na segurança.”

Guilherme Boulos (PSOL)

“Segurança se resolve com investimento em inteligência e prevenção e não com mais arma, cadeia e repressão. Vamos combater o mal pela raiz: seguir o dinheiro sujo.”

João Amoêdo (Novo)

“Acreditamos que as penas existem para serem cumpridas. Não dá para ter presos progredindo de modo automático. Também é preciso acabar com indulto e saída em data comemorativa.” 

Álvaro Dias (Podemos)

“A União deve atuar com base no tripé indução-capacitação-financiamento. Uma vez elaborado um plano nacional, é preciso induzir os Estados a adotarem políticas baseadas em evidências.”

Henrique Meirelles (MDB)

“Primeiro, a União deve agir ao lado dos Estados, aumentando os contingentes das polícias, treinando e equipando. Em seguida, é preciso reformar o sistema prisional.”

Outros candidatos

Entre os principais candidatos à presidência, Jair Bolsonaro (PSL) não respondeu sobre propostas para o tema (a assessoria disse que candidato estava totalmente incomunicável nesta quinta). Da mesma forma, o PT não informou qual será a plataforma do partido na área.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.