Veja outros casos de violência entre seguranças e clientes de banco

Em 2006, o guarda de agência do Rio matou homem após discussão por causa da porta giratória

estadão.com.br,

03 Outubro 2011 | 16h54

SÃO PAULO - A decisão da justiça, tomada em 2008, em manter as portas giratórias nos bancos de São Paulo pode até ser revista após o episódio desta segunda-feira, em que um segurança matou um cliente a tiros por conta deste sistema. Em 2007, a Câmara Municipal chegou a proibi-las, junto ao uso de detector de metais nas entradas destas instituições, pelas reclamações de constrangimento de alguns clientes. A medida da Câmara, porém, dividiu opiniões, pois há quem pense que a abolição da porta giratória torne os bancos mais vulneráveis ao roubo, comprometendo assim a segurança dos clientes.

Ainda em 2007, o aposentado Romário Machado Barbosa, de 51 anos, registrou até boletim de ocorrência por se sentir ofendido. Em junho deste mesmo ano, foi barrado numa agência bancária da zona leste porque usava aparelho ortopédico de metal. "Não sou bandido, exijo respeito como cidadão que sou."

Outro caso semelhante ao de hoje aconteceu em 2006, só que no Rio de Janeiro.O correntista do Banco Itaú, Jonas Eduardo Santos de Souza, de 34 anos, foi assassinado pelo segurança Natalício Marins na porta da agência bancária no centro do Rio. Segundo testemunhas, Souza tentava entrar no banco quando foi barrado na porta giratória. Depois de retirar do bolso todos os objetos metálicos, o segurança teria exigido que a vítima retirasse também seu cinto. Irritado com o constrangimento, os dois discutiram até que o segurança atirou em Souza.

Para a família da vítima, o preconceito com o fato de o rapaz ser negro é que motivou a violência. "Um homicídio por um motivo tão fútil. Por discriminação racial e social. Ele não estava armado, tinha o direito de, como correntista do banco, entrar na agência. Ele foi maltratado por ser negro", disse a advogada da família, Mariza Evangelista.

Em 2010, na zona leste de São Paulo, o aposentado de 47 anos Domingos da Conceição dos Santos foi barrado na porta giratória. Apesar de apresentar comprovante de que possuía um marca-passo, o segurança não destravou a porta, dando início a uma discussão. O vigia atirou contra o aposentado, na cabeça. O tiro ainda atingiu de raspão o rosto de um cozinheiro que estava no local. O segurança Pedro Gonçalves de Almeida, de 37 anos, foi preso em flagrante e indiciado por dupla tentativa de homicídio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.