Velório de vítima de bala perdida no Rio termina em confusão

O enterrro do motoboy Jackson Vieira da Silva, de 25 anos, atingido por bala perdida no sábado, foi marcado por confronto entre policiais militares e amigos do rapaz que faziam um protesto pacífico. Um PM fez disparos para o alto, enquanto outro atropelou com o carro da corporação motos usadas para fechar a via em frente ao Cemitério de Inhaúma (zona norte). Houve correria, mas ninguém ficou ferido. O caso foi encaminhado para a Corregedoria da PM. Em uma semana, quatro pessoas foram mortas por balas perdidas no Rio. Três delas foram enterradas nesta segunda..Confusão com policiaisA confusão envolvendo policiais ocorreu no fim da manhã. Cerca de 50 motociclistas, amigos do motoboy, fecharam um trecho da Avenida Pastor Martin Luther King Jr. Eles foram surpreendidos pela reação dos policiais lotados no 3.º Batalhão da PM(Méier) e passaram a lançar pedras e pedaços de paralelepípedos. Um dos policiais apontou o fuzil para os manifestantes e os ameaçou. Os PMs contaram que reagiram depois que o carro em que estavam foi apedrejarado.QueixasApenas cinco motociclistas foram à 44.ª Delegacia de Polícia prestar queixa contra a reação dos policiais. Quando chegaram lá, encontraram os PMs, que também registravam ocorrência de agressão, por causa das pedradas. Sentindo-se acuados, os motociclistas decidiram, então, seguir até a Corregedoria da PM. O relações públicas da Polícia Militar, tenente-coronel Rogério Seabra, informou que os dois policiais militares prestavam depoimento na tarde de ontem na corregedoria. "A gente vai apurar se houve excesso e de quem partiu esse excesso. Também há a versão dos policiais de que foram apedrejados", afirmou o oficial.Silva passava pela Estrada Itararé e levava Adalberto de Moraes Apolinário, de 19 anos, na garupa. Policiais do 22.º Batalhão da Polícia trocaram tiros com traficantes. Silva e Apolinário foram atingidos e socorridos pelos policiais. Silva morreu. Apolinário, ferido no peito, teve a bala de fuzil extraída e está internado em estado grave no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Geral de Bonsucesso. A família de Silva acusa a polícia de ter matado o jovem.EnterroTambém foi enterrada na tarde desta segunda-feira, a empregada doméstica Vanessa Calixto, de 24 anos, no Cemitério de Jacarepaguá. Ela foi atingida por bala perdida na sexta-feira, num confronto entre traficantes da favela Cidade de Deus e policiais. Vanessa tinha quatro filhas. "A mais velha já sabe mais ou menos o que aconteceu. Mas como vou falar que a mãe delas morreu?", indagou o ex-marido de Vanessa, José Antônio Ferreira da Silva, que foi ao Instituto Médico Legal para liberar o corpo.O estudante Luiz Cláudio do Nascimento, de 27 anos, atingido na cabeça por bala perdida na tarde de domingo, foi enterrado no fim da tarde no Cemitério do Corte Oito, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Nascimento estava num ônibus que trafegava ao lado de uma motocicleta, alvo de assaltantes. O motoqueiro acelerou e os criminosos dispararam. Também passageiras do coletivo, Fabiana Rodrigues, de 7 anos, foi ferida no braço por estilhaços e Marina da Silva Rodrigues, de 15 anos, também foi atingida por estilhaços na coxa. As duas passam bem.

Agencia Estado,

12 de março de 2007 | 13h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.