Velório do menino reúne centenas de pessoas comovidas com o acidente

O menino Rafael Luís de Freitas Porfírio,de 12 anos, que morreu no sábado, após sofrer um acidente em um parque de diversões em Campinas, morava com os avós maternos, junto com mais dois irmãos, um de 7 anos e outro de 8. O avô, o pedreiro Antonio Gonçalves, era ontem o mais silencioso e contido da família. Calmo, mas com olhar cansado, ele contou que os meninos estão na sua casa por causa das desavenças dos pais. A mãe, Sandra Regina Porfírio, passa por uma profunda depressão desde a separação do marido. "Não havia clima para cuidar de crianças naquela casa. Até a mãe entrou na bebedeira depois das brigas", desabafou Gonçalves. Sobre Rafael, o avô disse que era um garoto obediente e estudioso. "Já estava na 5ª série", disse e se calou.DESPEDIDACentenas de pessoas passaram pela sala 6 do Cemitério Nossa Senhora da Conceição, no Amarais, em Campinas, onde foi realizado o velório de Rafael. O menino foi sepultado às 16h30 de ontem.Um cortejo de vizinhos do Jardim Rossin - bairro em que ele morava -, de anônimos e amigos da escola deram o adeus ao garoto. Sua mãe estava muito abalada e precisou ser contida por parentes várias vezes. Desconhecidos que participavam de outros velórios ficaram consternados com a história contada pelos presentes sobre a morte trágica do menino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.