Vencedor da Mega perde prêmio de R$ 3 milhões em SP

Um prêmio da Mega Sena no valor de R$2,8 milhões foi deixado por um apostador sortudo, mas distraído, em uma lotérica de Campos do Jordão, na Serra da Mantiqueira, interior de São Paulo. O dinheiro estava à disposição do ganhador desde janeiro e ficou esperando pelo felizardo até terça-feira. A aposta foi feita entre os dias 15 e 17 de janeiro na lotérica Sabor e Sorte, no centro da cidade turística. O concurso 834 sorteou as dezenas 10, 16, 17, 34, 44 e 51 , que renderam um prêmio no valor de R$2.820.323,56. Por mês o dinheiro, se aplicado na poupança, renderia cerca de R$20 mil. "Foi uma pena terem esquecido. Acreditamos que a pessoa tenha perdido o bilhete e nem conferido. Mas agora não dá mais tempo", lamentou o dono da lotérica Antonio do Amaral. Um prêmio como este é a primeira vez que sai nesta lotérica, muito freqüentada por turistas. "Não temos idéia de quem fez a aposta naquele mês. É muita gente que passa por aqui", explicou. Na lotérica, até uma faixa acabou sendo instalada para alertar o apostador desavisado. Apesar de parecer hilário e impossível, de acordo com a Caixa Econômica Federal todos os anos vários prêmios das loterias federais que não são retirados. No ano passado, R$80,3 milhões foram deixados por apostadores que não conferem os bilhetes e acabam deixando o prêmio no banco. Se depois de 90 dias do sorteio o apostador não retirar o dinheiro a quantia é encaminhada ao Programa de Financiamento Estudantil do governo federal, que patrocina bolsas de estudos para estudantes de baixa renda. O prêmio de Campos do Jordão foi o maior valor já esquecido na história das lotéricas brasileiras. O último montante esquecido, de maior valor, foi de R$1,6 milhão, da Lotomania, em novembro de 2004. O vencedor havia feito a aposta em Curitiba (Paraná) e não retirou a bolada, assim como o turista que foi à Serra da Mantiqueira fazer uma fezinha.

Agencia Estado,

18 Abril 2007 | 18h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.