Vencedor de R$ 5,2 milhões da Mega-Sena 'esquece' prêmio

Apostador tem até as 16h de terça-feira para poder retirar dinheiro; aposta foi feita em lotérica de Taubaté

Hélcio Consolino, especial para O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2009 | 17h51

Procura-se um milionário em Taubaté, no Vale do Paraíba, a 130 km de São Paulo. Um vencedor do concurso 1.055 da Mega-Sena tem até o final da tarde dessa terça-feira, 8, para retirar o prêmio de R$ 5,2 milhões. O sorteio foi realizado no dia 11 de março e ainda premiou um morador da cidade de Capivari, que já retirou a sua parte, no mesmo valor.

 

Veja também:

lista Confira os resultados de todas as loterias    

 

Enquanto o milionário desconhecido não dá sinal de vida, na lotérica onde ele apostou um cartão com os números 12 - 15 - 16 - 20 - 27 - 32, o movimento duplicou. "Passei a fazer minhas apostas só nesse estabelecimento e não me importo de atravessar parte da cidade para isso", diz a professora aposentada Marly Prado.

 

Segundo o proprietário da lotérica, que fica dentro de um hipermercado à beira da rodovia Presidente Dutra, as apostas aumentaram em torno de 20%. "Pode até ser que o ganhador não seja da cidade porque muitos motoristas que trafegam pela via Dutra param para fazer apostas", diz Edgard Fernando Cicino. A opinião é dividida com o caminhoneiro Vanderley Antonio Francisco. O prêmio poderá ser retirado até o final do expediente bancário dessa terça-feira, em qualquer agência da Caixa Econômica Federal do País.

 

Segundo a assessoria de imprensa da Caixa, esse é o maior prêmio esquecido na história das loterias. Em 2008, mais de R$ 111 milhões não foram resgatados, a maior parte referente a prêmios secundários, como quina ou quadra da Mega-Sena. Caso não o sorteado de Taubaté não apareça o dinheiro será destinado ao Fundo de Financiamento do Ensino Superior (Fies). Em janeiro desse ano um outro prêmio foi esquecido na região, no valor de R$ 2,820 milhões em Campos do Jordão (SP).

Tudo o que sabemos sobre:
Mega-Senaloterias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.