Venda de combustível em vasilhame é proibida no Maranhão

Decisão de sindicato é consequência de ataques criminosos no Estado

O Estado de S. Paulo

08 Janeiro 2014 | 07h59

O Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Maranhão determinou a suspensão da venda do produto em vasilhames para evitar novos ataques de criminosos. Eles só poderão ser injetados diretamente nos veículos. Uma criança de seis anos morreu após ter 95% do corpo queimado em um atentado a ônibus em São Luís.

A Polícia Militar do Estado foi informada da determinação em uma reunião entre a cúpula da corporação, representantes do governo estadual e o presidente do sindicato, Orlando Santos. Não há prazo para que a decisão seja suspensa.

Entenda. O Complexo Penitenciário de Pedrinhas vive uma guerra entre facções que se reflete no Maranhão. Em novembro, ataques a policiais deixaram três vítimas. Em dezembro, detentos foram decapitados na prisão. Os ataques a ônibus que aconteceram neste mês teriam partido de dentro da penitenciária. O governo do Maranhão aceitou ajuda do governo federal para transferir os presos para presídios federais.

Mais conteúdo sobre:
Maranhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.