Vendedora reage e é morta no centro

Elenúcia de Almeida estava indo às compras com uma amiga quando foi abordada num semáforo

Ana Carolina Moreno, O Estadao de S.Paulo

02 de dezembro de 2007 | 00h00

O sábado ensolarado de compras das amigas Fabiana Aguiar, de 27 anos, e Elenúcia Oliveira de Almeida, de 32, foi interrompido às 14h30 de ontem por dois homens numa moto na Avenida Tereza Cristina, perto da Avenida do Estado, região central de São Paulo. Elas estavam no Shopping Plaza Sul quando decidiram ir ao centro fazer mais compras. Foram no Xsara prateado de Fabiana.Quando pararam num semáforo, uma moto azul com dois homens de capacete abordou o veículo pelo lado do motorista, onde estava Fabiana. "Disseram que iam me matar, levei um susto e dei minha bolsa", contou a vendedora autônoma. Elenúcia, que ocupava o banco do passageiro, reagiu ao assalto e tentou fugir correndo pela rua. Foi derrubada por um tiro pelas costas do criminoso que ia na garupa da moto.Os dois homens ainda aproveitaram a queda da também comerciante autônoma para tomar sua bolsa. Elenúcia foi levada pela polícia ao Hospital Ipiranga, mas não resistiu."Não sei o que aconteceu", contou Fabiana no 6º Distrito Policial, onde o caso foi registrado. Esse foi seu segundo assalto. Elenúcia carregava uma quantia em dinheiro para fazer compras, mas a amiga não sabe o valor.Conhecida por suas brincadeiras e bom humor, Elenúcia chegou a São Paulo aos 17 anos. Solteira e sem filhos, vivia no Sacomã, zona sul, com uma irmã. A amiga Juraci Matilde dos Santos conta que ela "vendia de tudo, não tinha nem produto nem lugar certo de venda". E, ao contrário de muitos que adotam a capital paulista para fazer a vida, não se deixava abalar pela violência. "Ela não tinha medo de sair de casa. Tinha muita vontade de viver."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.