Verba para ônibus tem corte de R$ 76,1 mi

Entidades de assistência social reclamam de redução de 1/3 dos recursos

Diego Zanchetta e Mônica Cardoso, O Estadao de S.Paulo

09 de dezembro de 2008 | 00h00

Asseguradas pela Prefeitura de São Paulo aos empresários das viações de ônibus como forma de manter a passagem a R$ 2,30, as compensações tarifárias estimadas em R$ 600 milhões para 2009 sofreram corte de R$ 76,1 milhões - 12,86%. Com a mudança, os empresários terão R$ 523,9 milhões, menos que os R$ 560 milhões recebidos neste ano.O relator do orçamento e responsável pelo corte, vereador Milton Leite (DEM), ligado às cooperativas de perueiros da zona sul, disse que o novo orçamento não vai causar aumento de passagem. Dois empresários das viações ouvidos pela reportagem também consideraram o corte "ilustrativo" e a passagem a R$ 2,30, bandeira da reeleição do prefeito Gilberto Kassab (DEM), será mantida. "O prefeito pode depois transferir mais dinheiro para os subsídios, como já fez neste ano", afirmou um empresário, que pediu sigilo. Por meio de transferências do superávit financeiro, Kassab aumentou em mais de R$ 80 milhões os subsídios pagos neste ano ao setor. As verbas para o metrô, cujo total de R$ 250 milhões caiu para R$ 218 milhões, tiveram corte. "Quero ver se o prefeito vai conseguir cumprir as promessas de manter a passagem e de transferir recursos para o Metrô", disse Paulo Fiorilo (PT). A bancada petista defende que seja aprovado o orçamento de R$ 29,4 bilhões. "Os cortes devem ser feitos pelo prefeito. Não pela Câmara", disse Fiorilo.ASSISTÊNCIA SOCIALO Fórum de Assistência Social de São Paulo (FAS-SP) promoveu passeata com 500 pessoas no Viaduto do Chá, na frente da Prefeitura de São Paulo, para chamar a atenção para o corte de um terço no seu orçamento - de R$ 480 milhões para R$ 318 milhões. A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social é responsável pelo repasse ao FAS. "Esse corte vai reduzir o número de atendimentos, a qualidade dos serviços e obrigará o fechamento de diversas entidades", diz o coordenador, William Lisboa. Ele estima que o fórum mantém convênio com cerca de 500 entidades. Segundo Lisboa, a secretaria não implementou o programa federal Pró Jovem, que concede renda de R$ 100 por mês. "Sobraram R$ 8 milhões que a Prefeitura prefere devolver." Em nota, a Secretaria de Assistência Social informou que a Secretaria de Planejamento aprovou R$ 647 milhões - R$ 32 milhões a mais que o orçamento de R$ 615 milhões de 2008. A secretaria não informou quanto será destinado ao FAS. Quanto ao saldo que a Prefeitura estaria devolvendo, a secretaria informou que ele está programado para ser executado até o dia 31 deste mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.