Vereador é afastado por usar gabinete para encontros amorosos

O vereador José Antonio Veiga Martins, do PSDB de Araçoiaba da Serra, na região de Sorocaba, foi afastado do cargo por 90 dias e está sofrendo processo de cassação do mandato sob a acusação de usar seu gabinete, na Câmara, para encontros amorosos. O pedido de cassação foi apresentado pelo presidente do PMDB local, Venedável Acosta. Segundo ele, o relacionamento do vereador, que é casado, com sua amante transcorre "entre tapas e beijos" e causa constrangimento a outros vereadores e funcionários. O afastamento temporário, enquanto corre o processo, foi aprovado por 6 votos a 2 em sessão realizada na última sexta-feira. Oliveira juntou depoimentos de funcionários que narram os encontros. A porta do gabinete era trancada, mas eles ouviam os ruídos característicos. "No início, eram encontros amorosos, mas depois viraram agressões e baixarias", afirma Acosta. Segundo ele, em uma das brigas, a mulher feriu o braço do vereador com uma caneta. Acosta diz que o povo já se refere à Câmara como "Bataclã", numa referência ao famoso prostíbulo baiano dos romances de Jorge Amado. Consta da denúncia que a amante do vereador fazia uso do telefone e outros bens da Câmara e ainda dava ordens para os funcionários. O processo de cassação foi aberto pela presidente da Câmara, Idalina Maria Fonseca Duarte (PMDB), e Martins foi notificado para apresentar defesa. O vereador negou as acusações e disse que está sendo alvo de perseguição política, pois faz oposição ao PMDB, que detém o poder local. Ele disse que vai processar os acusadores.

Agencia Estado,

24 de março de 2003 | 16h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.