Vereador é morto no Rio; crime pode ser político

O vereador Luís Carlos da Silva (PDT), o Luís do Posto, foi assassinado na madrugada de hoje, com um tiro que perfurou o pulmão e atingiu o coração, na estrada do Roçado, em Itaipu. De acordo com o chefe de plantão da 72ª Delegacia Policial de São Gonçalo, inspetor Rubens Rodrigues, o político teve seu carro abordado por dois homens em uma moto, que fizeram quatro disparos de fuzil. A polícia investiga o caso sob as hipóteses de crime político, passional ou tentativa de assalto. O policial contou que Luís do Posto estava acompanhado por sua mulher e um amigo, identificado como André, que estaria dirigindo o carro na hora do crime. Os dois nada sofreram. O vereador chegou ao Hospital de São Gonçalo aproximadamente às 3h20 e não resistiu aos ferimentos, morrendo uma hora depois. Amigos de Luís do Posto, que preferiram não se identificar, acreditam na tese de que o crime foi político. Seu suplente, que assumirá a vaga na Câmara Municipal, é Edílson Gomes (PDT), que em 1998 ?herdou? a vaga de outro vereador assassinado. No ano passado, Gomes acusou Luís do Posto de pertencer a um grupo de extermínio. Procurado pelo Estado, Gomes não foi encontrado. O secretário de estadual de Segurança do Rio, Anthony Garotinho, disse acreditar na hipótese de o crime ter sido motivado por razões políticas, já que somente Luís do Posto foi atingido. ?A morte do vereador teve circunstâncias estranhas, já que não houve sinais de roubo. Pode ter dois motivos: político ou o vereador tinha ligações perigosas?, afirmou Garotinho, sem querer esclarecer quais seriam estas ligações. ?A polícia está investigando?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.