Divulgação/PF
Divulgação/PF

Vereador e outros 7 são detidos em ação antitráfico no MS

Entre os presos, há três paraguaios; polícia apreendeu 93 quilos de cocaína procedentes de Cáceres (MT)

Ricardo Valota e Paulo Maciel, estadão.com.br

17 de abril de 2009 | 06h06

Uma operação de combate ao narcotráfico, realizada por agentes da Delegacia da Polícia Federal (PF) de Dourados (MS) na quinta-feira, 17, terminou com a apreensão de 93 quilos de cocaína e oito pessoas detidas, entre elas o vereador Joanir Subtil Viana (PMDB), de 42 anos, na fazenda do parlamentar, em Aral Moreira (MS).

 

Eram 12 horas quando um avião de pequeno porte pousou numa pista clandestina dentro da fazenda, deixando uma mercadoria e em seguida levantando voo, momento em que os federais entraram em ação. Quando se aproximavam do local, a droga já havia sido transferida para um veículo de passeio que entrou na mata para esconder o entorpecente. A droga foi encontrada pelos policiais.

 

Foram detidos, além do vereador, que estava em sua fazenda, Malaquias Pereira da Silva, 23, Randolfo Balbueno Ifran, 46, Dirceu de Souza Sarate, 43, e os paraguaios Modesto Lopez Merelez, 28, Rosalino Ramon Palacios, 51, e Danilo Gimenez Lopez, 22. A operação contou com o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB), que, segundo a PF, monitorou o espaço aéreo e detectou a aeronave suspeita.

 

Além da droga, os policiais apreenderam dois Fiat Strada, uma picape Mitsubishi L-200, com placas do Paraguai, uma pistola calibre 9mm, três revólveres calibre 38, um revólver calibre 22, uma pistola calibre 22, uma espingarda calibre 22, dois tambores com combustível de avião, um radiotransmissor, R$ 5,2, US$ 198 e 1 milhão de guaranis.

 

Os federais afirmaram que a droga teria saído da cidade de Cáceres(MT) e seguiria, de carro, para a capital Campo Grande e outros grande centros. Os paraguaios responderão por tráfico, sendo aberto um inquérito de expulsão. Caso condenados, cumprirão pena no Brasil, podendo ser expulsos e sem direito a voltar ao Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.