Beto Barata/AE
Beto Barata/AE

Vereador nega relação entre lista de nomes e partido

Washington Milhomen nega irregularidades, mas admite que alguém pode ter coletado assinaturas em paralelo

Eduardo Bresciani, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2011 | 00h00

SÃO SALVADOR DO TOCANTINS (TO)

O vereador Washington Milhomen (PR), conhecido como Pezão, nega ter vinculado a distribuição de cestas básicas para a população o de São Salvador do Tocantins (TO) a assinaturas de apoio à criação do PSD.

"Os documentos que pedimos foi para fazer um cadastro para a Secretaria de Ação Social do Estado. Não tinha nada a ver com o partido", garantiu o vereador. O cadastro a que ele se refere teria sido um pedido do governo estadual. Pezão disse que essa era uma exigência para a distribuição das cestas, mas alega que entregou metade das 300 cestas que chegaram ao município sem coletar assinaturas e documentos de quem recebeu.

A lista de apoio ao PSD em São Salvador do Tocantins, ao qual o Estado teve acesso, tem os nomes de 141 pessoas, entre asquais o vereador. Apesar de negar a vinculação da distribuição das cestas com o novo partido, ele admite que alguém pode ter coletado a assinatura em paralelo ao trabalho de cadastro.

O secretário de Comunicação do Tocantins, Arrhenius Naves, disse ser "inconcebível" a distribuição de cestas básicas ter ocorrido junto com a coleta de assinaturas para o PSD. A distribuição de alimentos, afirmou, foi feita pelos funcionários do governo em váriascidades do Estado.

Naves estranhou o fato de um vereador ter comandado o processo de distribuição. "Se houve algum político que se apossou das cestas para distribuir, nós desconhecemos. Nós mandamos tudo para associações de moradores", justificou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.