Vereador que votou contra Marta não será expulso do PT

O vereador Carlos Gianazzi não será expulso do PT. Por 31 votos a 18, o diretório estadual do partido aceitou o recurso do vereador contra a expulsão. Também foi decidido que ele será suspendo por um ano. A pena é retroativa a 27 de dezembro. ?Foi uma grande vitória?, disse Giannazi. ?Sempre fui coerente com a posição histórica do partido. No programa do PT para a Prefeitura, não havia referência de que projetos sociais seriam incluídos como gastos em educação?.O suplente de deputado federal Ivan Valente adiantou que pretende recorrer da decisão, para que a suspensão seja diminuída. O resultado já era esperado. Desde a expulsão, no dia 26 de abril, caciques petistas trabalharam para amenizar a pena, temendo desgaste eleitoral do partido nas eleições. Entre os que defenderam a permanência do vereador, estava o presidente estadual do PT, Paulo Frateschi. ?Achamos melhor dar uma segunda chance para ele e seguirmos unidos para a campanha de 2002?, afirmou Frateschi. Ele denominou a decisão como ?meio termo? e admitiu que o PT saiu desgastado do processo na chamada ?guerra da educação?. Giannazi foi expulso por votar contra o projeto do Executivo que alterou a Lei Orgânica do Município (LOM) e permitiu à prefeita Marta Suplicy (PT) incluir outros gastos na parcela obrigatória para o ensino. Segundo Frateschi, Giannazi deve seguir recomendações do partido em futuros projetos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.