Vereador retira proposta que ampliava o rodízio de veículos

Ricardo Teixeira diz que vai ouvir subprefeituras e motoristas para elaborar novo texto sobre o assunto

Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

13 de dezembro de 2007 | 00h00

Depois de conseguir, na semana passada, aprovar em primeira votação o projeto de lei que amplia o rodízio de veículos em São Paulo, o vereador Ricardo Teixeira (PSDB) decidiu retirar a proposta, que aguardava agendamento para ser analisada pelo plenário da Câmara em segundo turno. Teixeira protocolou ontem o pedido de retirada na Secretaria da Casa.Agora, o tucano pretende debater o projeto em todas as 31 subprefeituras e elaborar um novo texto com sugestões dos motoristas. "Pela reação negativa que eu senti sobre a aprovação do projeto e a discussão que ele causou, percebi que poderia ser melhorado. As pessoas querem ser ouvidas", afirmou Teixeira. A proposta original dividia os horários de rodízio em duas partes. Na primeira - entre 7 horas e 8h30 -, ficariam impedidos de circular os veículos com placas ímpares. Das 8h31 às 10 horas, a proibição valeria para placas pares. A mesma divisão funcionaria no horário do rush à noite. Esse sistema seria válido para anos ímpares, como 2007. Num ano par, o esquema se inverteria. O texto aprovado em primeira votação também ampliava a área de circulação do centro expandido para todo o território da capital.Teixeira também tenta entendimento com o vereador Adilson Amadeu (PTB), que teve um projeto de extinção do rodízio também aprovado pela Câmara em primeiro turno. "Seria muito importante que ele também retirasse a proposta dele, para que possamos construir um novo projeto juntos", disse o tucano.Amadeu não aceita, porém, retirar da pauta seu projeto. A única alternativa para que isso possa acontecer é a Prefeitura iniciar ampla fiscalização dos carros em circulação e proibir que veículos com o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e o seguro obrigatório (DPVAT) atrasados fiquem proibidos de sair às ruas. Nas contas de Amadeu, cerca de 2,3 milhões de carros estão em débito com essas taxas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.