Vereadores de Ribeirão têm celulares cortados

Para adequar-se à Lei de Responsabilidade Fiscal, a Câmara de Ribeirão Preto está dispensando funcionários e cortando cargos e até os celulares dos vereadores. "Temos que tomar algumas providências para ver, no final do mês, o que gastamos realmente", disse o presidente da casa, Sílvio Martins (PMDB), que determinou as medidas. O Legislativo terá de diminuir os gastos de aproximadamente R$ 19 milhões do ano passado para cerca de R$ 13 milhões neste ano, conforme a previsão orçamentária."A Câmara tem que economizar cerca R$ 5 milhões em 2001", afirmou Martins. Para isso, os celulares de 20 vereadores foram cortados - o Legislativo pagava, no máximo, R$ 200 para cada um -, nos últimos meses, após uma sentença judicial de uma ação civil pública, determinando que os 27 parlamentares (inclusive ex-vereadores) devolvessem aos cofres públicos o dinheiro gasto com os aparelhos. O único celular bancado pelo Câmara será o da presidência da casa. "É um canal para os vereadores me localizarem."Martins determinou ainda que cada gabinete reduza os gastos mensais de R$ 15 mil para R$ 12 mil. Das seis diretorias da Câmara, duas foram extintas. Cerca de 20 pessoas em cargos de confiança foram dispensadas e nove centros de defesa que atendiam a comunidade foram extintos. Despesas com fotocópias, envio de correspondências e viagens foram suspensas em janeiro. As gratificações dos funcionários - a de RTI (Regime de Tempo Integral) - também foram cortadas. Depois do balanço do primeiro mês, Martins analisará se serão necessárias outras providências para que a Câmara não tenha problemas com a Lei de Responsabilidade Fiscal no decorrer do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.