Vereadores de Sorocaba empregam a parentada

Sete dos 14 vereadores que compõem a Câmara deSorocaba, cem quilômetros a oeste de São Paulo, nomearam familiares para os cargos de confiança do Legislativo. Eles ocupam os postos que rendem os maiores salários, pagos com dinheiro público, como o de chefe de gabinete e assistente parlamentar, e ainda são autorizados a usarveículos da Câmara. No total, são destinados mensalmente quase R$ 30 mil para pagaros parentes.Os frequentadores mais assíduos referem-se à Câmara como "a grande família", pois ali o pai, a esposa, filhos, cunhados e genros se encontram a todo instante, como acontece quando estão em casa. Unidos, colaboram para engordar a rendafamiliar, pois o vereador recebe R$ 4.500,00 por mês.Nomeados para cargos de confiança, esses familiares não precisam fazer concurso ou prova de admissão como qualquer outro funcionário público. Bastando a indicação dos vereadores e a nomeação pela presidência do Legislativo. O ex-presidente da Câmara Moacir Luís Silva Oliveira(PSDB), contratou a esposa, Maria Tereza Silva de Oliveira, como assistente parlamentar, recebendo um salário mensal de R$ 1.876,49, e a sobrinha Mara Lenita Ribeiro de Oliveira, como chefe de gabinete, com salário de R$ 2.345,62. O sobrinhoFábio Aurélio Silva Oliveira é também assistente parlamentar, mesmo cargo de outro sobrinho, Ricardo Silva Oliveira.O vereador João Donizetti Silvestri (PSDB) tem como assistentes a irmã, Daisy Aparecida Silvestre Alves, e a cunhada Cibele Silvestre, ecomo chefe de gabinete o cunhado José da Silva Dias. O vereador Antonio Carlos Silvano (PSDB) emprega o filho Silvano Júnior e o genro Amauri Coelho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.