Google Street View/Reprodução
Google Street View/Reprodução

Vereadores provocam a ira ao aumentar salários em Jequié, na Bahia

População da cidade tomou ruas centrais e fechou saída da Câmara Municipal contra a elevação dos vencimentos que foi aprovada em sessão relâmpago

Heliana Frazão, Especial para o Estado

22 Dezembro 2016 | 00h57

SALVADOR- Revoltada com o que considerou uma “traição ao povo”, a população do município de Jequié, no sudoeste da Bahia, tomou as ruas centrais da cidade e fechou a saída da Câmara municipal, na noite da terça-feira, 20, em protesto contra o aumento de salário do prefeito, do secretariado e dos vereadores, aprovado durante uma sessão relâmpago, que durou pouco mais de cinco minutos.

A despeito da oposição popular, a matéria contou com a aprovação de 12 vereadores, apenas um votou contra. Com isso, a partir de janeiro de 2017 o comandante do Executivo irá receber R$ 20 mil, o vice-prefeito R$ 15 mil, os secretários municipais e vereadores R$ 12.660. A sessão ocorreu a portas fechadas, sem a presença da população.

Enquanto os edis se reuniam para elevar os próprios vencimentos, do lado de fora do Legislativo, o povo, indignado, gritava palavras de ordem e referia-se aos representantes municipais como “canalhas e vagabundos”. Eles ainda pediam a revogação do texto aprovado.Um carro de som acompanhava os protestos, com o microfone, que era franqueado a quem quisesse se expressar contra o projeto.

Temendo enfrentar a ira popular, os vereadores permaneceram no interior da Casa, até as 21h30. Eles convocaram uma escolta policial para lhes garantir a saída, e deixaram o local sob vaias e muitos protestos, amparados pelos policiais. Durante a confusão o assessor de um vereador arrancou com o carro em velocidade e acabou atropelando duas pessoas. Uma delas é o ex-vereador Evandro Lopes, de 84 anos, que atualmente trabalha na Associação Comercial e Indústria da cidade. O fato deixou os manifestantes ainda mais irritados. Ninguém se feriu com gravidade.A manifestação foi convocada principalmente pelas redes sociais.

Mais conteúdo sobre:
SALVADOR Bahia Executivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.