Veterinário é condenado por homicídio doloso por atropelamento

O Tribunal do Júri de São José do Rio Preto, interior de São Paulo, condenou a 6 anos de prisão em regime semi-aberto o veterinário Denis Paranhos Gonçalves que, em 3 de abril de 1999, passou em alta velocidade um sinal vermelho, atropelando e matando um estudante de 14 anos. O garoto atravessava a esquina na rua Marechal Deodoro, região central de Rio Preto, para ir a uma festa dos amigos da escola. O acidente ainda resultou em ferimentos em outra pessoa e danos em dois veículos.Num caso raro da Justiça brasileira, Gonçalves foi condenado por homicídio doloso, quando há a intenção de matar. Na grande maioria dos casos, os motoristas que causam acidentes são julgados por homicídio culposo, cuja pena é mais branda.O advogado de Gonçalves, Paulo Nimer, defendeu a tese de homicídio culposo, mas ela foi rejeitada. Se a tese fosse acatada, o réu seria condenado a uma pena de 1 a 3 anos em regime semi-aberto. O promotor Marcos Antônio Lelis Moreira, que atuou na acusação, defendeu a tese de que, ao dirigir a 100 quilômetros por hora, o réu assumiu os riscos dos resultados do acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.