Veto a caminhões tem apoio de 78% dos paulistanos

Só 12,4% dos entrevistados são a favor da cobrança de pedágio nas Marginais, segundo estudo da Brasmarket

Moacir Assunção, O Estadao de S.Paulo

12 de junho de 2008 | 00h00

Pesquisa realizada entre os dias 1º e 5 deste mês pelo instituto de pesquisa Brasmarket revelou que os paulistanos apóiam as medidas do prefeito Gilberto Kassab (DEM) de limitar o tráfego de caminhões em determinados horários na capital paulista. De acordo com o levantamento, 78% aprovam a limitação dos caminhões no chamado centro expandido. Outros 15,1% são contrários e 6,9% não sabem ou não opinaram.O diretor-superintendente do Brasmarket, Sidney Kuntz, considera que a resposta era esperada. "Várias grandes cidades do mundo restringiram o trânsito de carga no centro. No Brasil, é o caso de Curitiba. No entanto, a população só vai perceber se a medida foi realmente eficaz cerca de um mês depois de ela entrar em vigor." Para ele, é preciso estabelecer alguma forma de compensação para os caminhoneiros.Também se pesquisou alternativas, como estabelecer tarifas de pedágio menores para os caminhões que circularem após a meia-noite pelas rodovias. No total, 62,9% dos paulistanos aprovam essa proposta e 25,6% são contrários. "Não se pode só tirar, é necessário oferecer algo em troca", diz Kuntz.O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga (Setcesp), Francisco Pelucio, discordou da pesquisa, mas considera positivo que se rediscuta a questão. "O que temos percebido é que não há tantos caminhões assim na região central de São Paulo que justifiquem essa medida. A população vai perceber que não mudará nada no trânsito."PEDÁGIOQuestionados se são favoráveis à mudança de um dia para dois no rodízio de veículos, 38,7% disseram ser favoráveis e 50,8%, contrários. Já em relação a uma possível cobrança de pedágio nas Marginais, só 12,4% foram favoráveis e 75,3% se mostraram contrários. Foram ouvidas 437 pessoas de todas as regiões e faixas socioeconômicas e a margem de erro é de 5%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.