Veto à publicidade em São Paulo tem 1ª vitória

A proposta de cidade limpa idealizada pelo prefeito Gilberto Kassab (PFL) conseguiu nesta quarta-feira, 23, a primeira vitória na Câmara Municipal. O projeto para proibir todo tipo de anúncio publicitário externo em São Paulo foi aprovado, em primeira votação, por 38 votos favoráveis e 5 contra. Dos 55 vereadores, 8 estavam ausentes na votação e 4 preferiram se abster do processo.Principal bandeira de Kassab apresentada à Câmara em junho, o projeto contra a poluição visual poderá passar por modificações na segunda e definitiva votação. A tramitação da proposta até a última votação permite a realização de, no mínimo, duas audiências públicas e a possibilidade de projetos substitutivos ou emendas ao texto original enviado pelo prefeito.Os representantes das empresas de publicidade externa são contra a aprovação do projeto, que tem amplo caráter proibitivo. A idéia é vetar todo tipo de anúncio externo, como outdoors, anúncios luminosos, propagandas em fachadas de prédios, telões eletrônicos, panfletos e até a propaganda dos táxis.A proposta original formulada por Kassab divide as opiniões dos vereadores. O líder do prefeito na Câmara, Gilson Barreto (PSDB), confia na aprovação do texto original com a intenção de combater a poluição visual na cidade. "Vamos chegar ao denominador comum. Comprometo-me a votar contra o projeto se me confirmarem que a proposta vai causar desemprego, como alegam os representantes do setor", disse.O vereador Dalton Silvano (PSDB) votou contra o projeto e rebateu as afirmações do líder da bancada. "A proposta vai causar demissão sim. Se aprovada a ampla restrição da publicidade externa na cidade teremos 20 mil trabalhadores desempregados", afirmou Silvano, que é publicitário. O líder da bancada petista, João Antonio, afirmou que os 12 vereadores da legenda ainda não fecharam questão a respeito do projeto. "Aprovaremos em primeira discussão para iniciar o processo de debate com a sociedade", ressaltou.Presidente da Comissão de Estudos dos problemas referentes ao mobiliário urbano na Câmara, o vereador Aurélio Miguel (PL), representante do grupo independente da Casa, ressaltou que não existe posição fechada entre os 55 vereadores. "A partir de agora vamos discutir a proposta, que poderá sofrer mudanças para aprimorar o combate à poluição visual."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.