Via Amarela fecha acordo com família de vítima do Metrô

O Consórcio Via Amarela, responsável pelas obras da Linha 4 do Metrô, na capital paulista, informou nesta terça-feira, 6, por comunicado, que, das sete famílias das vítimas mortas no incidente de 12 de janeiro, restam apenas duas para firmarem acordos de indenização. Após 51 dias do acidente no canteiro de obras da futura Estação Pinheiros, que integra a Linha 4, na segunda-feira o consórcio que realiza as obras conseguiu fechar acordo com a família da aposentada Abigail de Azevedo. Agora, estão faltando concluir os entendimentos com as famílias do motorista da van soterrada, Reinaldo Aparecido Leite, e do cobrador Wescley Adriano da Silva. Entre as famílias das vítimas que já tinham negociado a indenização estão a da advogada Valéria Alves Marmit, do contínuo Cícero Augustinho da Silva, do funcionário público Márcio Rodrigues Alambert, e do motorista que atuava nas obras Francisco Sabino Torres.Segundo o consórcio, além dos acordos com as vítimas fatais do acidente, foram fechados 27 acordos com inquilinos de imóveis prejudicados pelas obras. Foram realizados, ainda, um acordo com os proprietários da van soterrada, três acordos com proprietários de veículos que tiveram perdas totais (uma S10, um Corsa e um Fiesta) e outros dois entendimentos com donos de veículos que tiveram perdas parciais (um Gol e um Siena).O acidente no canteiro de obras da futura Estação Pinheiros ocorreu na tarde do dia 12 de janeiro e causou a morte de sete pessoas que estavam na região. As indenizações serão pagas pela seguradora da obra, a Unibanco AIG. O Consórcio Via Amarela é integrado pelas empreiteiras Odebrecht, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão, OAS e Andrade Gutierrez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.