Via Amarela fez pressão para mudança de laudo, diz técnico

O técnico em soldagem Nelson Damásio afirmou na terça-feira, 6, que foi pressionado pelo Consórcio Via Amarela - responsável pelas obras da futura Linha 4-Amarela do Metrô - a mudar o laudo emitido sobre problemas na estrutura metálica das obras da futura Estação Fradique Coutinho. A afirmação foi feita à Comissão de Representação da Assembléia de São Paulo, criada para investigar as causas do desabamento da futura Estação Pinheiros do Metrô, no 12 de janeiro, quando sete pessoas morreram.O pedido, segundo ele, feito pelo gerente de produção do consórcio, José Ricardo, em 13 de fevereiro, quando a imprensa divulgou o problema detectado por Damásio. "Depois que a matéria foi ao ar pela TV Globo, me pediram para reescrever o laudo e colocar questões mais técnicas, sem ser muito direto."Por meio de nota da Assessoria de Imprensa, o Consórcio Via Amarela - formado pelas empresas Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e Andrade Gutierrez - negou qualquer tipo de pressão sobre Damásio. "Não faz sentido nem se deve perder de vista que o técnico foi contratado pelo consórcio. E, portanto, não caberia sugerir alterações ao relatório de inspeção. Em relação à segurança da obra, o assunto foi esclarecido por profissionais e técnicos especializados em estrutura dando conta de que a obra não apresenta nenhum risco." O deputado João Caramez (PSDB) queria saber se foi Damásio quem divulgou o laudo para a imprensa. Diante da negativa, Caramez pediu a convocação de um funcionário do consórcio que contratou Damásio para fazer o laudo da soldagem.O ex-presidente do Metrô Luiz Carlos David também prestou depoimento. Ele negou que a crise provocada pelo desabamento das obras da futura Estação Pinheiros tenha sido o motivo de sua saída. David admitiu que o consórcio utilizou manta de impermeabilização em desconformidade com o contrato firmado com o Metrô, além de as soldagens terem sido feitas de modo incorreto, mas frisou que isso não provocou o acidente que matou sete pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.