Gil Leonardi - 21/04/2022
Gil Leonardi - 21/04/2022

Nova rota turística que passa por Rio, Minas, Goiás e DF celebra 200 anos da Independência

Percurso de 1.179 quilômetros destaca atrativos naturais, culturais e históricos em 307 cidades; ideia é ajudar a recuperar o setor, bastante abalado pela pandemia

Marina Rigueira, especial para o Estadão

02 de maio de 2022 | 15h00

Um percurso de 1.179 quilômetros, que passa por montanhas, litoral, áreas verdes e por ícones arquitetônicos, além de atrações culturais, históricas, artísticas e gastronômicas. Três Estados - Rio, Minas e Goiás - e o Distrito Federal se juntam na criação da Via Liberdade, rota turística lançada em abril que passa por 307 cidades. Além de fomentar a visitação, a ideia é celebrar o bicentenário da Independência do Brasil, comemorado em setembro. 

A escolha dos destinos, ao longo da Rodovia BR-040, privilegiou espaços simbólicos desde a fase do Brasil Império no Rio, passando pelos movimentos libertários em Minas, a conquista do interior, em Goiás, e a criação de Brasília. No roteiro, há sete Patrimônios Culturais da Humanidade: o Cais do Valongo e o Sítio Burle Marx, no Rio; a Serra do Espinhaço, em Ouro Preto, a cidade de Congonhas e a Pampulha, em Belo Horizonte, o Caminho de Goiás e Brasília, além das regiões do Grande Sertão Veredas e o Rio São Francisco

O objetivo principal é fomentar o turismo das cidades envolvidas e, por consequência, o desenvolvimento territorial e econômico das regiões nos próximos cinco anos. O investimento total na Via Liberdade é de cerca de R$ 12 milhões para fomento e estruturação do turismo. Desse montante, mais de R$ 4 milhões foram destinados em acordo de cooperação firmado entre o governo de Minas, a Fecomércio, Sesc e Senac para ações de capacitações, promoção, marketing turístico e intercâmbio cultural.

"O trajeto inteiro conta com cerca de 70% dos patrimônios históricos tombados do País”, afirma o secretário de Cultura e Turismo de Minas, Leônidas de Oliveira. Segundo o Estado, a trégua da pandemia propiciou uma maior ocupação dos hotéis no Estado: a taxa de ocupação é de cerca de 90%. Mas em alguns pontos, como em Belo Horizonte, esse índice está baixo - em torno de 45%. 

"Torcemos para que a retomada econômica venha", afirma Fernando Guimarães Rodrigues, proprietário e fundador da Queijenharia, que produz queijos curados com sabores diferentes, como amêndoa defumada, azeite, café, cardamomo, chimichurri e curry. "Sofremos muito com os quase três anos de pandemia, reduzimos demais a produção", conta ele, cujo negócio fica em Rio Acima, a menos de uma hora da capital. Além do queijo, café, doces e vinhos são outros produtos gastronômicos de destaque desse roteiro. 

Para quem se interessa por história e natureza, outra opção é o Circuito Turístico das Grutas, que envolve 14 municípios mineiros: Cachoeira da Prata, Caetanópolis, Capim Branco, Confins, Cordisburgo, Fortuna de Minas, Jequitibá, Lagoa Santa, Pedro Leopoldo, Prudente de Morais, Santana de Pirapama, São José da Lapa e Sete Lagoas. Parte desssas cidades é marcada pela passagem do naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund (1801-1880), considerado o pai da palentologia brasileira. Na região, foi achado o crânio de Luzia, o mais antigo osso do tipo já identificado nas Américas. 

"É um Estado com fortes características arqueológicas, paleontológicas, espeleológicas, mais de 800 cavernas catalogadas, aquíferos maravilhosos e muita religiosidade, folclore, artesanato, gastronomia com receitas tombadas e manifestação popular. De uma riqueza e potencialidade turística que só Minas tem", diz Mariela França Teodoro, presidente da instância de governança do Circuito Turístico das Grutas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.