Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Viagem ao litoral sul de SP exige cuidados extras

Paulistanos que pretendem aproveitar o feriado prolongado nas praias do litoral sul, principalmente Ilha Comprida, Iguape e Cananéia, devem tomar cuidado redobrado na Rodovia Régis Bitencourt (BR-116).A rodovia é também a principal rota para os litorais do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. O trecho paulista ainda tem uma parte não-duplicada e muito perigosa, que vai do km 319, em Juquitiba, ao 367, em Miracatu.Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a Serra doCafezal, do 337 ao 367, torna-se ainda mais perigosa quando ocorrem chuvas. A pista éestreita e cheia de curvas. É comum a formação de comboios de caminhões, criandoainda mais dificuldades para os motoristas de automóveis.A ultrapassagem é sempre arriscada, segundo os policiais federais. Eles recomendam viagem sem pressa e com muita atenção. O motorista deve evitar pegar o trecho da serra durante a noite. As obras de duplicação estão paradas desde 1999 por questões ambientais.Moradores das regiões de Campinas e Sorocaba que utilizam a Rodovia Santos Dumont para chegar aolitoral sul devem tomar cuidado na Serra de Paranapiacaba, entre Tapiraí e Juquiá. São65 quilômetros de serra, com pista única, excessivamente sinuosa e com declivesacentuados.Se ocorrer chuva, há ainda o risco de quedas de barreira, segundo a Polícia Rodoviária Estadual. Em pelo menos dois pontos, nesse trecho, a pista fica estreita, permitindo a passagem de apenas um veículo por vez.

Agencia Estado,

01 de novembro de 2002 | 16h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.