Vice de Itu nega envolvimento em morte em depoimento

O vice-prefeito de Itu, Élio de Oliveira Júnior, foi ouvido nesta terça à noite pelo delegado Nicolau Santarém no inquérito que apura a morte do advogado Humberto da Silva Monteiro, assassinado no final de janeiro. Ele disse que compareceu à delegacia de livre e espontânea vontade para colaborar com o esclarecimento do crime. Oliveira Júnior tinha sido apontado pelo prefeito da cidade, Herculano Passos Júnior, como provável mandante do assassinato. O vice-prefeito convocou a imprensa para falar sobre o assunto mas cancelou a coletiva ao ser informado de que o jornalista Josué Dantas Filho, que sobreviveu ao atentado, estava presente. Dantas parou o carro com marcas de tiros na frente do local reservado para a coletiva e estendeu uma faixa com os dizeres: "mataram um inocente". O vice-prefeito falou à imprensa quando deixava a delegacia, e voltou a negar envolvimento no caso. Disse que procurou o delegado porque teve o nome citado pelo prefeito. "Fui incriminado, julgado e condenado sem ser ouvido". Perguntado sobre a razão de ter rompido com Herculano Júnior, disse que tinha sido traído pelo prefeito mas não deu mais explicações. O advogado de Oliveira Júnior, Laertes de Macedo Torrens, afirmou que irá tomar medidas judiciais contra os que acusaram seu cliente. O delegado Santarém, não comentou o conteúdo do depoimento.

Agencia Estado,

14 Fevereiro 2006 | 22h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.