Vice-diretor de faculdade do Rio sofre atentado

O vice-diretor da Faculdade de Direito da UFRJ, professor Agnelo Maia Borges de Medeiros, de 37 anos, teve uma janela de seu apartamento, na Tijuca, zona norte do Rio, atingida por dois disparos na madrugada de hoje. Segundo uma testemunha, dois homens em uma moto atiraram da rua em direção à casa de Medeiros, no quarto andar. As balas atingiram o quarto da filha dele, que tem apenas 12 dias, mas ninguém ficou ferido. Uma delas bateu no teto e caiu no berço do bebê, que estava no quarto ao lado.O professor afirmou que vem sofrendo ameaças porque há dois anos preside uma sindicância na Faculdade de Direito. Ele apura irregularidades como furto de computadores e desvio de outros materiais. Segundo ele, nas ameaças pelo telefone a pessoa sempre o chama de professor. ?Acho que é da faculdade porque eles me chamam de professor nas ligações. Dizem para parar as investigações porque vão me matar. Estou arrasado.?O professor contou os momentos de terror: ?Eram quatro horas e minha mulher estava amamentando no outro quarto. Minha sogra que estava no quarto do bebê avisou dos tiros. Queria acreditar que foi bala perdida, mas acho que foi direcionado.? Ele pretende pedir proteção policial e se mudar da Tijuca. O comandante do 6º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Ronaldo Menezes, determinou reforço do policiamento no local. Segundo Medeiros, que também é subcorregedor da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro e dá aulas na UFRJ há 11 anos, sete alunos de Direito foram expulsos e três funcionários retirados do departamento, em função das investigações. No entanto, Medeiros não deu detalhes do relatório que está finalizando, por ser sigiloso. ?Quando terminar, não vou aceitar mais nenhuma sindicância. Posso dizer que os bandidos venceram. Não sabia que iam atingir minha família?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.