Vice do STJ pede fim do sigilo em inquérito da PF no MT

O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, pediu nesta quinta-feira ao juiz da 3ª Vara Federal de Cuiabá que suspenda o "segredo de Justiça" do inquérito da Polícia Federal do Mato Grosso intitulado "Operação Dilúvio", que investiga supostos crimes de tráfico de influência, corrupção ativa, exploração deprestígio e violação de sigilo funcional no Judiciário.Nas gravações, os irmãos lobistas Timóteo e Samuel Nascimento da Silva negociam esquema de "negociação de decisões" no STJ, usando os nomes do ministro e de seu filho, o advogado ErickVidigal.Segundo o ministro, depois dos "vazamentos" já ocorridos, a manutenção do sigilo doprocesso servirá apenas para ampliar dúvidas e alimentar especulações e desconfianças sobre a "honra pessoal e a legalidade das ações dos que são honrados e que agem nos limites estritos da legalidade".Vidigal, disse nesta quinta-feira, em Cuiabá, que os "responsáveis" pela denúnciacriminosa envolvendo seu nome e o de seu filho Erick Vidigal vão ser identificados nodecorrer das investigações pedidas ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.Durante entrevista coletiva, o ministro Vidigal evitou dar detalhes sobre os próximospassos a serem dados para a identificação daquelas pessoas que estariam por trás daarticulação com o objetivo, segundo classificou, de desmoralizá-lo.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.