Vídeo com cenas eróticas de vereadora cai na web

Um vídeo com cenas eróticas da vereadora Andrea Purissimo da Silva (PV) vazou na internet e agitou a pequena Santo Anastácio, no interior de São Paulo. As cenas começaram a ser veiculadas em maio, por meio de celulares, depois no site YouTube, em troca de e-mails e em perfis do Orkut, o que chamou a atenção dos moradores da cidade, de 20 mil habitantes, a 596 km de São Paulo. A Câmara Municipal votou a formação de uma CPI para cassar o mandato de Andrea, mas o pedido, feito por Antonio Carlos dos Santos, suplente da vereadora, foi rejeitado por unanimidade. Ontem, advogados da vereadora declararam ter conseguido da Justiça uma tutela antecipada para garantir a retirada do vídeo da rede. "Passei maus momentos por conta desse vídeo, mas tenho recebido muitas manifestações de apoio neste momento difícil, como a de minha filha de 12 anos, que está enfrentando tudo com muita maturidade", disse Andrea ao Estado. Ela explicou que as cenas foram gravadas em um celular por um rapaz com quem teve um relacionamento casual em 2004, quando não era vereadora. Na época, Andrea, que é enfermeira, trabalhava num posto de saúde da cidade. "Não sei como essas imagens foram mantidas até agora. Em maio deste ano um amigo me alertou sobre a transmissão delas por celular e, com o tempo, foi para a internet", diz Andrea, que assumiu o cargo em janeiro deste ano. O advogado Leandro Martins Alves disse que a antecipação de tutela tem o objetivo de fazer com que a Microsoft bloqueie a transmissão dos arquivos com as cenas e sejam resguardados os Protocolos de Internet (IP) dos internautas que estejam enviando e-mails com as imagens. A tutela, dada pela juíza Flávia Alves Medeiros, deve ser publicada no Diário Oficial do Estado na próxima semana. Alves disse que há suspeitos de ter feito a divulgação e que eles deverão responder por crime de danos morais e materiais.

Chico Siqueira, O Estadao de S.Paulo

10 Julho 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.