Vídeo pode identificar assassinos do professor suíço

Imagens coloridas e nítidas do circuito interno de TV do edifício Majoi, no Leme, zona sul, podem identificar o casal que matou o professor suíço Reto Franz Ullmann, de 56 anos, na noite de ontem. Depois de ser torturado, o estrangeiro foi atirado vivo do sétimo andar de seu apartamento. Antes de ser assassinado, Ullmann recebeu a visita de duas pessoas que tiveram a autorização dele para subir. A fita do circuito de TV está em com a polícia e mostraria o momento em que os criminosos passam pela portaria. ?Eram pessoas conhecidas da vítima. O homem saiu do prédio sem camisa e pela porta da frente?, disse hoje o delegadoFernando Veloso, da delegacia de Copacabana, referindo-se ao suposto assassino que esteve no apartamento de Ullmann e oteria lançado pela janela. O professor, que estava sozinho em casa na hora do crime, caiu no pátio interno do edifício e morreu na queda. Antes de ir embora, o criminoso abandonou uma jaqueta com manchas de sangue no elevador social do prédio que fica no número 811 da rua Gustavo de Sampaio. Na casa de Ullmann, a polícia encontrou um tablete de 600g de maconha e o cofre vazio, de onde, segundo o delegado, foramlevados US$ 16 mil e documentos. Os criminosos também roubaram três máquinas fotográficas.?Acho que a droga era para consumo próprio. Tudo leva a crer que os autores (do crime) foram lá em busca de documentos ehouve uma discussão?, disse Veloso que não informou que tipo de documentos foram levados.Alegando sigilo nas investigações, o policial não forneceu o nome das pessoas que estiveram no apartamento entre 18h20 dequarta-feira até 19 horas, quando o suíço sofreu a queda. Apesar de Ullmann não ter família no Brasil, o delegado disse que ?pessoas ligadas? a ele seriam ouvidas na delegacia. Namorada do suíço, a manicure brasileira Regina da Silva, teria sido localizada, mas a polícia não confirmou a informação. A casa de Ullmann, que chegara da Suíça havia três dias e morava no Brasil desde 1999, foi totalmente revirada, tinha manchas de sangue nos cômodos e sinais de luta. De acordo com o delegado, o suíço foi imobilizado com fios de telefone, fita crepe e até meia-calça. Além disso, teve os dedos da mão quebrados, sofreu cortes a faca na perna e foi golpeado com um monopé, equipamento usado por fotógrafos. Um porteiro que trabalha no prédio e não quis se identificar disse que o suíço era uma pessoa tranqüila e nunca teve problemas com vizinhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.