Vigias flagram e ''castigam'' jovens por pichar muro

Flagrados pichando os muros de uma fábrica na Avenida Presidente Wilson, na Mooca, zona leste, três adolescentes, dois de 16 anos e um de 15 anos, dizem ter sido agredidos por três seguranças da empresa, na noite de sábado. Eles registraram boletim de ocorrência no 8º Distrito Policial. Segundo os garotos, eles usavam tinta spray nos muros quando foram surpreendidos pelos vigias. Os adolescentes tentaram fugir, mas foram alcançados e obrigados a voltar ao local, onde teriam tido os corpos pintados pelos seguranças, como "castigo". Eles também acusaram os vigias de disparar tiros em sua direção e de soltar um cachorro, que teria perseguido os adolescentes e mordido um deles. A Secretaria de Segurança Pública não forneceu o nome da empresa de segurança. Na fuga, os jovens invadiram a Estação Mooca da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), mas teriam sido obrigados pelos agentes ferroviários a correr. Já na Estação Brás foram atendidos por um vigilante que, ao ver os garotos sujos de tinta, indagou sobre o que havia ocorrido e os encaminhou para a delegacia. Os adolescentes serão intimados a se apresentar à Vara da Infância e Juventude, já que pichar é crime contra o patrimônio. Em nota, a CPTM confirmou que os jovens foram atendidos por um vigilante na Estação Brás e informou que apura se houve negligência no tratamento dado na Mooca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.