Vigilância Sanitária apreende 3,5 toneladas de carne suína clandestina

Um carregamento de 3,5 toneladas de carne suína clandestina foi apreendido pela Vigilância Sanitária de Ribeirão Preto na noite de ontem. O produto estava na câmara frigorífica de uma fábrica de lingüiça clandestina. O local não tem condições ideais de higiene para armazenamento do produto, que não tinha nota fiscal nem o carimbo do Serviço de Inspeção Federal (SIF). O abate teria ocorrido num matadouro irregular de Batatais. A carne foi considerada imprópria para o consumo humano e levada na manhã de hoje para Sertãozinho, onde foi triturada e transformada em ração para animais. O dono da fábrica, Reginaldo Alexandre do Nascimento, havia sido notificado dois meses antes, quando a Vigilância Sanitária apreendeu cerca de 850 quilos de lingüiça. Ele responderá por crime de adulteração de alimentos e crime contra o consumidor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.