Vigilante diz que foi coagido a confessar 39 mortes em Goiânia

Tiago Henrique Gomes da Rocha deu o primeiro depoimento sob juízo nesta segunda-feira e negou ter cometido todos os crimes

O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2015 | 23h28

GOIÂNIA - Em seu primeiro depoimento à Justiça, nesta segunda-feira, 28, o vigilante Tiago Henrique Gomes da Rocha negou que seja o serial killer responsável por 39 mortes em Goiânia em dois anos. Rocha disse que confessou os homicídios sob coação. Ao ser questionado sobre quem o teria coagido, ele afirmou que foram “homens da delegacia”.

O vigilante confirmou que todos os crimes foram cometidos por influência de vozes que não sabia de onde vinham. Ele afirmou que não se lembrava de todos os detalhes dos crimes que cometeu, apenas que saía de casa de moto, movido pelo sentimento de raiva, e que tinha flashes de memória dos assassinatos. “Lembro-me apenas do barulho de um tiro”, afirmou. Três testemunhas de acusação foram ouvidas pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara antes de Rocha.

Contradição. Em outubro de 2014, Rocha já havia mudado a versão para a quantidade de mortes cometidas por ele, reduzindo em dez o número de vítimas. Em depoimento no dia 23 de outubro, Rocha assumiu 29 mortes, diferentemente das 39 que havia admitido antes de ser transferido para uma ala de segurança máxima do Núcleo de Custódia do Complexo Prisional.

Tudo o que sabemos sobre:
GoiâniaTiago Henrique Gomes da Rocha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.