Vigilante é morto ao defender jovem

Um vigilante identificado apenas como Amauri foi morto a tiros por volta das 3h30 de ontem dentro de um asilo em Francisco Morato, na Região Metropolitana de São Paulo. Conforme testemunhas, o assassino seria Michelângelo Madruga da Cunha, de 26 anos, ex-marido da filha da diretora do asilo. Amauri, de 18 anos, teria morrido ao defender a jovem. O crime ocorreu diante dos filhos do casal. Segundo informações da Polícia Militar, o vigilante foi socorrido por vizinhos e levado ao Pronto-Socorro da Santa Casa, mas não resistiu aos ferimentos e morreu em seguida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.