Vigilantes confessam participação em roubo de combustível no Rio

Dois vigilantes da Refinaria Duque de Caxias (Reduc) confessaram participação no esquema de roubo de combustível descoberto na quarta-feira, 21, quando três homens foram presos juntos a uma carreta com gasolina roubada da refinaria. Eles prestaram depoimento nesta quinta-feira, 22, na 60ª Delegacia de Polícia, mas não tiveram seus nomes revelados para não prejudicar a investigação. Um terceiro vigilante, acusado pelos outros dois, também foi ouvido pelo delegado André Drummond, mas negou estar envolvido no crime.Os vigilantes detalharam o esquema montado pela quadrilha. Segundo eles, além de mangueiras de incêndio, os criminosos também utilizavam caminhões a vácuo, normalmente utilizados para limpeza de esgoto. No depoimento, disseram receber R$ 250 para deixar os caminhões saírem da Reduc com combustível em vez de esgoto.De acordo com Drummond, 11 funcionários terceirizados podem estar envolvidos no esquema. Os caminhões usados para carregar combustível, segundo o depoimento dos vigilantes, pertenceriam à três empresas de limpeza prestadoras de serviço da Petrobras.As investigações sobre o roubo começaram há um mês, depois que a segurança da refinaria percebeu movimentação anormal nos arredores da Reduc.FurtosPara Drummond, a quadrilha já furtou mais de 900 mil litros de gasolina em cerca de 30 furtos. Na quarta-feira três homens foram presos em flagrante próximos a um caminhão com 20 mil litros de gasolina, roubadas através de uma mangueira de incêndio de mais de cem metros, conectada ao registro de um dos tanques do combustível. A carreta estava estacionada junto a um dos muros da Reduc e a mangueira estava escondida em meio ao matagal.Peres de Carvalho Martins, 38 anos, Gilson Leal Rodrigues, 31, e Salatiel Medeiros de Araújo, 37, foram autuados por furto qualificado e formação de quadrilha, mas negaram participação no crime. Agentes de segurança da Reduc, no entanto, afirmaram que eles receberam R$ 2 mil cada para furtar a gasolina e entregar o caminhão cheio a um motorista ainda foragido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.