Vigilantes e bombeiros entram em greve no Distrito Federal

Empresários oferecem 7% de reajuste salariam, mas trabalhadores reivindicam um aumento real de 15%

Solange Spigliatti, Central de Notícias,

26 de maio de 2009 | 13h04

Cerca de 15 mil vigilantes e bombeiros civil do Distrito Federal, que trabalham em bancos, hospitais, órgãos federais e em algumas residências, entraram em greve por tempo indeterminado no fim da noite desta segunda-feira, 25, segundo informações do Sindicato dos empregados em Empresas de Segurança e Vigilância do Distrito Federal (Sindesv).

 

A greve teve início por volta das 19h30, após assembleia geral da categoria, onde foi apresentada a proposta de reajuste dos patrões, rejeitada pelos trabalhadores. Segundo o sindicato da categoria, os empresários oferecem 7% e apostam no dissídio coletivo para que a Justiça do Trabalho conceda o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do período que está em torno de 5,85%.

 

Os trabalhadores reivindicam um aumento real de 15% sobre o piso salarial da categoria, que hoje é de R$ 1.080, aumento no valor do vale-refeição de R$ 9 para R$ 15,00. Com a greve dos vigilantes, muitos bancos permanecem fechados, assim como o atendimento em alguns hospitais ficou prejudicado, segundo o Sindicato.

Mais conteúdo sobre:
grevevigilantesbombeirosDF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.