Vila fantasma de Sacramento é leiloada por R$ 6,3 milhões

A vila de Jaguara, anexa à Usina Jaguara, às margens do Rio Grande, em Sacramento (MG), na divisa com Rifaina (SP), foi vendida em leilão por R$ 6,3 milhões. A vila, com 80 casas, hotel, escola, clube, templo ecumênico e um aeroporto, se tornou um lugar fantasma nos últimos anos, mas foi arrematada no último dia 14 pela empresa Borá Agropecuária Ltda., de Belo Horizonte.A assinatura do contrato ocorrerá no dia 29 e, depois, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) terá um mês para entregá-la à nova dona. O único morador do local, o engenheiro-eletricista Nilton Braz Moura Silva, de 48 anos, já está preparando as malas.A Borá foi a única participante do leilão, segundo Silva, e ofereceu R$ 6,3 milhões, sendo que o lance mínimo era de R$ 5,9 milhões. A empresa deverá investir em turismo, mas isso só será divulgado pela nova dona após a assinatura do contrato. A Cemig já está providenciando a construção de uma nova portaria para a sua usina hidrelétrica, que funciona ao lado da vila, construída a partir de 1966 para abrigar os funcionários e suas famílias. Era uma forma de atrair os trabalhadores, pois os acessos antigamente eram ruins e nada inspiradores.A usina hidrelétrica entrou em operação em 1971 e a vila chegou a ter cerca de 600 moradores na década de 1980. Mas a automação diminuiu o número de funcionários e os 31 que restaram foram incentivados a irem para as cidades próximas. A vila fica a cinco quilômetros de Rifaina e a 40 de Sacramento. A área global leiloada, inclusive com vegetação nativa, é de 238,79 hectares.Silva ainda não sabe para onde irá se mudar. Também não sabe quando sairá da casa onde está. Rifaina e Sacramento são as primeiras opções, mas ele fala que poderá ficar até mesmo em Uberaba, onde passa os finais de semana com o filho. Na vila, seu passatempo à noite era assistir à televisão, navegar pela internet ou ler. Sentirá saudades do silêncio ou do barulho da natureza, mas a vila terá mais movimento, deixará de ser um lugar fantasma, uma lenda, para retomar uma realidade turística.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.