Vilma é internada com hipertensão

A empresária Vilma Borges Martins foi internada na tarde desta sexta-feira no Hospital Jardim América, em Goiânia. Vilma é a mãe adotiva de dois jovens que foram seqüestrados ainda recém-nascidos, Pedro Rosalino Braule Pinto, de 17 anos, e Roberta Jamilly Martins Borges, de 23.Sofrendo de uma crise de hipertensão, Vilma deu entrada no hospital com pressão arterial de 300/140, quando o normal é de 120/80. Além disso, a empresária apresenta dormência do lado esquerdo do corpo (heniparesia)."A internação era realmente necessária", disse ao Estado um dos médicos que tiveram contato com a empresária. "Ela poderia ter tido um edema agudo de pulmão ou até um acidente cardiovascular (AVC)." Vilma está tomando remédios para controlar a pressão e deve permanecer internada até sábado ou domingo. "Isso se tudo correr bem", informou o médico.Vilma ocupa um apartamento padrão do hospital e não chegou a ir para a UTI, como foi cogitado em boatos que cicularam nesta sexta em Goiânia.Os boatos de que Vilma teria sofrido um ataque cardíaco ganharam força depois de ela passar os últimos três dias incomunicável em local não revelado, impossibilitando que o oficial de Justiça Túlio Nery conseguisse intimá-la para depor no processo de negação da paternidade de Roberta Jamilly, movido pela família do industrial Jamal Rassi, de família tradicional em Goiânia, que durante 23 anos foi apontado pela empresária como o pai biológico da garota.Sem conseguir intimar Vilma, o oficial de Justiça anunciou que usaria força policial nesta sexta-feira para entregar o documento a Vilma. O oficial de Justiça conseguiu intimar apenas Roberta no processo de negativa de paternidade. Ela deve apresentar sua defesa em 15 dias à juíza Maria Luiza Costa Póvoa, da 2ª Vara de Família.A juíza determinou que Roberta passe por um novo teste de DNA, se submetendo à coleta de sangue na sala da própria juíza, no Fórum de Goiânia, no dia 5 de março, às 17 horas. A advogada da família Rassi, Darlene Oliveira, contou que durante todos esses anos "Vilma invadiu a casa da família de Jamal várias vezes acompanhada da Roberta, afirmando que a menina era filha do empresário e tentou extorquir dinheiro".Além do processo de negatória de paternidade, a família Rassi vai processar Vilma por danos morais e materiais por ter apontado o industrial como pai da garota. "Essa mulher trouxe desgraça a três famílias e deve pagar por suas atrocidades. Se Vilma não pode ser responsabilizada penalmente, que seja pelo menos civilmente."Abalado com o envolvimento de seu nome no noticiário sobre Vilma, Jamal Rassi foi internado com hemorragia digestiva e hipertensão aguda. Jamal Rassi tem 73 anos, é pai de 6 filhos e tem 12 netos. A advogada disse que ele ele está intensamente deprimido desde que o caso Roberta veio à tona. Ele não pode se locomover e praticamente já não saía mais de casa, até ficar doente. Ele permanece em casa, sedado.A decisão do industrial, de entrar com uma ação de investigação negatória de paternidade, foi tomada no dia em que ele foi internado no Instituto de Medicina de Goiás, no dia 2 de fevereiro. Em depoimento prestado à Polícia Civil de Goiás há um mês, Jamal Rassi confirmou que teve um romance com Vilma Martins Costa, mas garantiu que não era o pai da garota. Mesmo assim, o nome de Rassi consta no registro e nos documentos de Roberta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.