Vilma Martins Costa vai continuar presa, decide o STJ

A ex-empresária Vilma Martins Costa, condenada pelo rapto do recém-nascido Pedro Rosalino Braule Pinto, o Pedrinho, de uma maternidade de Brasília em 1986, vai continuar presa na Casa de Prisão Provisória de Aparecida de Goiânia, em Goiás. Os ministros da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitaram ontem por unanimidade pedido de habeas-corpus feito pelos advogados de Vilma. A prisão da ex-empresária foi decretada em agosto pela 10ª Vara Criminal de Goiânia, onde ela foi condenada a sete anos de reclusão em regime fechado por simulação de parto e registro falso de Pedrinho e um ano e oito meses de detenção em regime semi-aberto por subtração de incapaz. O paradeiro de Pedrinho foi descoberto no ano passado. Atualmente ele vive em Brasília com os pais biológicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.