Violência contra a mulher é relacionada a comportamento machista

Uma em cada três brasileiras já foi vítima de violência física por parte de um companheiro. Pesquisada realizada pela organização não-governamental Instituto Promundo e pelo programa do governo norte-americano Horizons, revela que este e outros tipos de violência estão profundamente relacionados ao machismo.No trabalho também estava inserido o programa Hora H, que busca "mudar as percepções do jovem sobre o que é ser homem". Foram realizadas entrevistas antes da implantação do programa e depois, e foi constatado que o "nível de machismo" dos jovens reduziu.Antes da entrevista, 37,4 % dos jovens de Bangu e Maré disseram concordar total ou parcialmente que "existem momentos nos quais a mulher merece apanhar". No último pós-teste, esse número caiu para 33% dos entrevistados.Durante um ano foram entrevistados 780 jovens entre 15 e 24 anos das comunidades de Bangu, Maré e Botafogo, no Rio de Janeiro. Além da violência contra a mulher, a pesquisa aponta a transmissão de doenças venéreas, acidentes de trânsito e mortes com arma de fogo como consequências diretas do machismo.O diretor do Instituto Promunod, Gary Baker, diz que há meios de por fim a essa violência. "Nós saímos com a pesquisa otimista de que de fato é possível questionar e acabar com o machismo", afirmou. Para ele, reforçar mensagens de eqüidade entre os gêneros e dar destaque para modelos masculinos positivos são exemplos de solução para acabar com o machismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.