Violência não impedirá Rio de sediar Olimpíadas, diz Tarso

Ministro da Justiça diz que problemas com transporte e rede hoteleira são piores; eleição será em 2 de outubro

Agência Brasil,

18 de setembro de 2009 | 12h34

Os altos níveis de violência registrados atualmente no Rio de Janeiro não impedirão que a cidade saia vitoriosa na disputa com Tóquio, Chicago e Madri pelo direito de sediar os Jogos Olímpicos de 2016, conforme avaliou nesta sexta-feira, 18, o ministro da Justiça, Tarso Genro.

 

Ao participar de um evento para firmar um convênio que repassa ao governo do Rio recursos de mais R$ 100 milhões do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) para ações de combate à violência, o ministro afirmou que a cidade enfrenta problemas mais sérios e imediatos como a questão da insuficiência de quartos na rede hoteleira e a necessidade de equacionar os problemas de transporte.

 

Para ele, a experiência obtida em eventos como a Rio 92, os Jogos Pan-Americanos e festas populares como o carnaval e o réveillon - que atraem milhões de pessoas - sem dúvida pesará a favor da cidade quando for avaliado o quesito violência. "O principal problema, no que diz respeito às preocupações do COI [o Comitê Olímpico Internacional], não é a segurança pública, mas sim a rede hoteleira - esta é a maior preocupação deles em razão da insuficiência de leitos - e a questão do transporte público", disse.

 

Genro explicou que do ponto de vista da segurança, os integrantes do COI acham que a experiência do Pan pode ser ainda aperfeiçoada e têm consciência de que a aplicação de um programa como o Pronasci terá, até o ano de 2016, efeitos significativos na redução da criminalidade. "Os problemas de violência que nós enfrentamos não são estranhos a outras cidades, inclusive candidatas como o Rio. Há graves problemas de segurança pública envolvendo questões de racismo, de terrorismo", disse Tarso.

 

Sobre o balanço da Fundação Getulio Vargas em relação às primeiras avaliações do Pronasci, o ministro afirmou ter considerado satisfatório o relatório. "O balanço diz que estamos no caminho certo, que há ainda um longo caminho a percorrer, mas já há um reconhecimento da comunidade e das autoridades publicas de que o Pronasci é uma mudança de paradigma", argumentou

 

A escolha da cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 será feita por meio de votação no dia 2 de outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.