Violência no Rio é superdimensionda no exterior, diz secretário

A Secretaria de Estado de Segurança Pública anunciou nesta terça-feira que vai implementar novas ações para diminuir os crimes contra turistas. Embora a segurança tenha sido apenas a quarta principal reclamação dos turistas que vieram ao Rio no ano passado, de acordo com a Embratur, o governo decidiu intensificar o policiamento na orla com policiais a paisana, e também distribuir manuais aos visitantes para ensiná-los como se comportar na cidade de modo a não se arriscar.Também haverá investimento em publicidade no exterior, para que o Rio perca a imagem de cidade violenta. "A questão da segurança é real, mas é superdimensionada no exterior", acredita o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico e Turístico, Elvio Gaspar, que anunciou o plano de segurança turística ao lado do secretário de Segurança Pública, Roberto Aguiar.Segundo Gaspar, a escalada da violência, junto com o desaquecimento da economia mundial, a crise argentina e os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, fizeram com que a taxa média de ocupação dos hotéis este ano ficasse em 46%, quando, no ano passado, o índice foi de 67% (de janeiro a dezembro). Ele ressalvou que, por causa das férias, este mês o número deve chegar a 68%. Desde o início de junho, com o início do policiamento sem farda nas areias de Copacabana, houve redução de 75% nas ocorrências, segundo a secretaria. Agora, o governo quer ampliar essa modalidade de patrulhamento até a praia do Leblon. Os policiais deverão atuar principalmente nos horários críticos - de manhã cedo, por volta das 8 horas, e por volta das 22 horas, quando os assaltos são mais constantes. A preferência será dada a policiais bilingües.Conselho de Segurança TurísticaO plano turístico, uma demanda dos hotéis e das agências de viagens e de eventos, será discutido com essas entidades, além da prefeitura, na semana que vem. O governo irá então decidir de quanto será o aumento do efetivo policial. Tais organizações, além do Estado, vão compor o Conselho de Segurança Turística, a ser estabelecido ainda este mês.Já ficou decidida também a criação de uma Área Integrada de Segurança Pública (Aisp) para abranger as regiões turísticas. Além disso, a Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat) vai virar delegacia legal, o que significa melhor atendimento ao público e informatização do sistema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.