Violência policial é problema crônico no Brasil, diz ONG

Rio de Janeiro é apontado como foco de violência devido ao tráfico de drogas e à atuação das milícias

Da Redação,

14 de janeiro de 2009 | 14h33

O relatório anual da ONG de Direitos Humanos Human Rights Watch, publicado nesta quarta-feira, 14, caracteriza a violência policial como um problema crônico no Brasil. A ONG também qualifica as condições dos presídios brasileiros como desumanos, critica práticas de trabalho forçado e denuncia casos de violência rural.  Veja também: Confira a íntegra do relatório (em inglês) Dono de prédio destruído na 'Choque de Ordem' é morto no Rio Segundo a ONG, moradores de áreas urbanas são vítimas tanto do crime organizado quanto do abuso de forças de segurança. A Human Rights Watch estima no relatório que 50 mil pessoas são vítimas de homicídio no País.  A ONG aponta o Rio de Janeiro como um dos principais focos da violência, devido ao tráfico de drogas e a ação das milícias. O relatório diz que entre janeiro e junho do ano passado, 757 pessoas foram mortas pela polícia do Rio, uma média de quatro por dia. A Human Rights Watch também critica no relatório as condições das prisões brasileiros. Citando o relatório final da CPI do Sistema Carcerário, a ONG diz que tortura contra presos foi registrada nos Estados de Rondônia, Piauí, Mato Grosso, Ceará, Maranhão, e Goiás. De acordo com a ONG, povos indígenas e trabalhadores sem-terra, têm enfrentado ameaças como resultado do conflito por terra. A Organização cita no relatório um levantamento da Comissão Pastoral da Terra, segundo o qual 28 pessoas foram mortas em conflitos rurais em 2007.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.