Viracopos planeja mudanças com restrições em Congonhas

O prefeito de Campinas, Hélio de Oliveira Santos, disse que vai reduzir o Imposto Sobre Serviço de empresas aéreas para atrair os vôos restringidos de Congonhas para o Aeroporto de Viracopos. A superintendência da Infraero se reúnem nesta quarta-feira com representantes da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, para discutir sobre o andamento dos estudos ambientais para a ampliação de Viracopos. De acordo com a Infraero, além da localização estratégica, Viracopos, que recebe 820 mil passageiros por ano, tem capacidade para elevar este número para 2 milhões. A partir de quinta-feira, 8, os vôos de aviões Fokker-100 e Boeing 737-800 e 737-700 deixarão de operar na pista principal do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, - o mais movimentado do País. A decisão é do juiz Ronald de Carvalho Filho, da 22ª Vara Cível Federal, em resposta a pedido do Ministério Público Federal, que defende a interdição total da pista, por conta dos casos de derrapagens de aviões em dias chuvosos. Segundo informações do Estado, o Ministério Público Federal em São Paulo (MPF) vai recorrer da decisão que restringe os aviões em Congonhas. Para o MPF, não é necessário proibir a aterrissagem dessas aeronaves. O ideal seria interditar a pista principal de Congonhas para imediata reforma e utilizar apenas a pista auxiliar para os pousos. O início das reformas na pista principal de Congonhas foi adiada e só deve começar em 7 de junho. "Essa é a única garantia para a segurança de passageiros, tripulantes e moradores da região", destacam os procuradores na Ação Civil Pública na qual foi pedida a interdição da pista principal.

Agencia Estado,

07 Fevereiro 2007 | 12h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.