Visita de Bush vai fechar ruas de SP na quinta e sexta-feira

A visita do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, a São Paulo, que deve durar 20 horas, de quinta-feira, 8, até a sexta-feira, 9, vai mexer com a vida do paulistano, mesmo daquele que não estiver diretamente relacionado aos eventos que envolvem o presidente Por conta de sua presença, a rotina da cidade vai ser alterada, com interdições, manifestações e até bloqueio do espaço aéreo.Por questões de segurança, os locais e horários por onde o presidente vai passar não foram divulgados. Bush e a primeira-dama, Laura Bush, vão chegar na noite de quinta-feira no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica. De lá, seguem para o Morumbi, na zona sul da cidade, onde vão ficar hospedados no hotel Hilton. Por conta da presença do casal, a Avenida Luís Carlos Berrini ficará interditada. Na sexta-feira, o presidente deve começar o dia reunindo-se com representantes de seu governo no hotel ou no Consulado dos Estados Unidos, na Chácara Santo Antônio. Depois, segue para Guarulhos, onde deve se encontrar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no terminal da Transpetro de Guarulhos. .De tarde, após reunir-se com Lula, Bush volta ao Morumbi para visitar o projeto social Meninos do Morumbi. Assim, entre quinta e sexta-feira, a comitiva do presidente dos Estados Unidos deve passar quatro vezes pelo trajeto de cerca de 40 quilômetros entre Guarulhos e o Morumbi. Todas as rotas devem ser cumpridas por terra e as vias por onde ele passará terão de ser fechadasOs bairros mais atingidos pelas interdições e bloqueios devem ser Brooklin, Chácara Santo Antônio, Cumbica, Jardim Paulista, Morumbi, Pinheiros e Vila Madalena. Na Bela Vista, região central da cidade, também poderá haver interdições, já que lá fica o Hospital Sírio Libanês, que vai ficar de prontidão para qualquer emergência com Bush.Primeira-damaLaura Bush, primeira-dama dos Estados Unidos, tem dois compromissos marcados para sexta-feira que podem atrapalhar o trânsito da cidade. Ela vai visitar a sede do projeto social Alfabetização Solidária, nos Jardins, de onde segue para a Vila Madalena, na região oeste de São Paulo.Na Vila Madalena, Laura visita a ONG Cidade Escola Aprendiz. Por motivos de segurança, as ruas por onde a primeira-dama passar também vão ser bloqueadas. Com isso, ela também deve ficar longe das manifestações programadas contra a presença de seu marido ao País.ManifestaçõesDuas manifestações estão marcadas para protestar contra a presença de Bush na cidade. Na quinta-feira, 8, a Pastoral da Mulher Marginalizada e outras organizações pretendem reunir milhares de manifestantes a partir das 15 horas na Avenida Paulista. A passeata será em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, mas vai aproveitar para protestar contra a visita do presidente dos Estados Unidos.Na sexta-feira, a União Nacional dos Estudantes (UNE) promete reunir 500 mil manifestantes para seguir o presidente Bush, de microônibus, por onde ele passar.Espaço aéreoAinda não está definido por quanto tempo e qual faixa do espaço aéreo brasileiro será bloqueada para a visita do presidente George W. Bush. A Aeronáutica informou que até terça-feira não havia planos para isso, apesar de a Polícia Federal ter solicitado a interdição durante os trajetos - terrestres e aéreos - de Bush.Admitiu apenas a interrupção momentânea do tráfego do Aeroporto de Congonhas, antes do pouso e da decolagem do avião presidencial. Segundo a Infraero, o protocolo determina interrupção de 10 minutos e os passageiros "comuns" não terão prejuízo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.