Visitantes de presídio são detidas com celulares e drogas na vagina

Cinco mulheres foram detidas neste sábado quando tentavam entrar no presídio Milton Dias Moreira, no Complexo Penitenciário da Frei Caneca, com celulares e drogas escondidos nos órgãos genitais. Segundo a direção da instituição, elas visitavam os presos regularmente, mas aparentemente não tinham nenhuma relação entre si. As mulheres e os presos que elas iam visitar e seus companheiros foram autuados. Todos eles já tinham condenações, dois por tráfico, dois por assalto a mão armada e o quinto por seqüestro.Fabiana Montenegro Inácio (que visitaria Renato da Fonseca Inácio) levava o que a polícia supõe ser maconha e um fone de celular; Ana Paula Calista da Silva (que ia ver Thiago Assis de Almeida) portava maconha e cocaína; Mônica Bizarro (companheira de André Rocha) tentava entrar com maconha, cocaína e um celular; e Ariane Pinheiro (que ia visitar Dêner da Silva Augusto) levava um carregador de celular. Já Anahy Rocha da Silva (companheira de Júlio César Pinheiro) tentou entrar com uma carteira de visitante falsa. Todas foram levadas para a 6ª Delegacia de Polícia, na Cidade Nova.O período de visitas ao presídio Milton Dias Moreira, que faz parte do complexo penitenciário da Rua Frei Caneca, no centro do Rio, vai das 9 às 16 horas de sábado, e todas as pessoas são revistadas antes de entrar. As cinco mulheres foram pegas durante a revista. No ano passado, foram feitas 13 apreensões como esta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.