Visitas ao túmulo de Covas começaram cedo

Quando osportões do cemitério do Paquetá foram abertos às 7 horas desta quinta-feira, já havia genteesperando para visitar o túmulo do governador Mário Covas, iniciando um movimentoconstante que só parou às 18 horas, quando as atividades foram encerradas. Não houveo grande movimento da quarta-feira, quando 4 mil pessoas formaram uma grande filapara se despedir de Covas, cujo corpo havia sido sepultado horas antes, mas osresponsáveis pelo Paquetá estão se preparando para o final de semana, quando grandemovimentação é esperada. Mesmo assim, calcula-se que pelos menos 1.500 pessoaspassaram nesta quinta-feira por ali.Por volta das 14 horas, o túmulo foi cercado por fitas de isolamento, pois osoperários começaram a desmontar a tenda montada para proteger familiares eautoridades durante os funerais. Com isso, os visitantes começaram a se aglomerar.Outros aproveitaram para passear entre túmulos e mausoléus de gente famosa, já que,no Paquetá, foram sepultados os grandes personagens da história e da cultura santistae brasileira. Bem perto da sepultura de Covas estão as de Silvério Fontes, médico eabolicionista, o de seu filho Martins Fontes, poeta e também médico, o pintorBenedicto Calixto e a nadadora Renata Agondi, morta tragicamente quando tentavaatravessar a nado o Canal da Mancha em agosto de 88. Pequeno, o Paquetá é o maisantigo cemitério de Santos.

Agencia Estado,

08 de março de 2001 | 19h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.